Coronavírus - Proteção e informação em casa! Mantenha-se atualizado. CLIQUE AQUI!

Notícias

Imagem

Governo se compromete a analisar medidas de flexibilização do Decreto 3.808/2020

Uma nova reunião é aguardada até o início da próxima semana para que os servidores escutem a posição do governador

No final da tarde de ontem (20), representantes de 18 entidades alinhadas ao Fórum Associativo e Sindical de Servidores (FASS) e à Pública – Central do Servidor no Paraná, se reuniram com o Governo, no Palácio Iguaçu, para debater os impactos causados pelo Decreto 3.808/2020 e medidas de flexibilização das imposições previstas no mesmo. Em continuidade à reunião da última sexta-feira, os representantes do Executivo informaram hoje que estão encaminhando um grupo de estudo destes impactos e que os resultados dessa análise serão apresentados para o governador Carlos Massa Ratinho Jr.  ainda nesta semana.

Estavam representando o Governo: o diretor-geral da Casa Civil, Felipe Flessak; o controlador-geral do Estado do Paraná, Raul Siqueira; e Bráulio Fleury, diretor-geral da SEAP (Secretaria do Estado de Administração e Previdência).  A reunião, convocada pelo Auditor Fiscal, presidente da Pública Paraná e coordenador do FASS, Wanderci Polaquini, reuniu o vice-presidente Sindical do Sindafep, Carlos Alberto Stadler, e outros representantes de entidades associativas e sindicais que estão enfrentando dificuldades semelhantes devido ao Decreto 3.808/2020. O Decreto estabelece que todos os servidores ativos, inativos ou pensionistas devem fazer um recadastramento junto à Administração para revalidar os descontos consignados em folha de pagamento, dentre eles o desconto da mensalidade às entidades.

No caso do Sindafep, quase 85% dos filiados devem fazer o recadastramento, conforme nota anteriormente publicada. A questão central do debate é, na verdade, a realidade e o perfil etário de cada filiado, já que na maioria das entidades ali representadas, grande parte dos filiados já se encontra em idade avançada e com dificuldades de se locomover. Isso os impede de cumprir com todos as etapas impostas no recadastramento, o que inclui a entrega de documentos pessoalmente na PARANAPREVIDÊNCIA, não podendo ser essa entrega feita por terceiros.

Destacou-se na reunião que a maior preocupação é justamente com esses filiados que terão seus direitos cerceados abruptamente. Pois, de acordo com o Decreto, quem não fizer o recadastramento até 10 de fevereiro ficará automaticamente inadimplente com seu Sindicato ou Associação, o que a depender de cada estatuto gera desfiliação automática ou cessa benefícios ofertados pela entidade como o plano de saúde, assessoria jurídica ou auxílio funeral.

O controlador-geral do Estado, Raul Siqueira, justificou a edição do Decreto 3.808/2020 com base na necessidade do Estado de realizar uma auditoria nas folhas de pagamento dos servidores, como medida para reforçar os processos de compliance que já vêm sendo instituídos pelo Governo do Estado desde o início da gestão. O que na visão dos servidores é uma desculpa, já que existem outros meios para realizar esse recadastramento sem dificultar a arrecadação dos sindicatos ou interferir no direito de sindicalização dos servidores.

Alguns representantes das entidades em reunião na tarde de ontem (20).

Estavam lá representadas as seguintes entidades:

Associação Beneficente e Recreativa dos Servidores do TCE-PR (ABRTC)

Associação dos Delegados de Polícia do Estado do Paraná (ADEPOL)

Associação Rodoviária do Paraná (ARP)

Associação dos Servidores Públicos do Paraná (ASPP)

Associação dos Servidores Estaduais do Paraná (ASSEPAR)

Associação dos Advogados Públicos do Paraná (APAP)

Associação dos Servidores do Ministério Público do Paraná (ASSEMP-PR)

Associação da Vila Militar (AVM)

 Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares Ativos Inativos e Pensionistas (AMAI)

Associação dos Oficiais Policiais e Bombeiros Militares do Estado do Paraná (ASSOFEPAR)

Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita do Estado (SINDAFEP) 

Sindicato dos Servidores do Ministério Público do Paraná (SINDMP/PR)

Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (SINDILEGIS)

Sindicato dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (SINDICONTAS/PR)

Sindicato dos Delegados de Polícia do Paraná (SIDEPOL)

Sindicato dos Fazendários do Paraná (SINDFAZCRE-PR)

Sindicato dos Servidores da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (SINDEFESA-PR)

Sindicato dos Servidores da Socioeducação do Paraná (SINDISEC)

Categorias:

Comentários

  • Cléa Toffoli

    27 de janeiro de 2020

    Meu Pai (Cleude Romeu Toffoli), hoje com 81 anos está acamado e só é possível seu deslocamento com ambulância, no fim de sua vida ele terá que passar por esta humilhação. Muito triste e revoltante.
  • Helio Ruski

    24 de janeiro de 2020

    Qual a possibilidade de efetuar o pagamento da mensalidade via boleto bancário.
  • Benício da Silva

    22 de janeiro de 2020

    Votamos em um Governador, que nunca colocou os pés no chão, nunca trabalhou e não sabe o que é trabalhar, em Postos Fiscais, Volantes nas Estradas muitas vezes sem ter onde comer ou beber, comendo o pó nas estradas sem asfalto na época. Não sabe, porque somente viveu nas custas do Pai, coloque os pés no chão garotão. respeite os seres Humanos! o seu Pai foi um Homem batalhador e lutando até hoje, parabéns a o seu Pai, que é o orgulho do Paraná.
    Benício da Silva
    Auditor Fiscal.
  • Helio Ruski

    22 de janeiro de 2020

    Tenho sérias dificuldades para estar pessoalmente em Curitiba, a propósito e a tíulo de colaboração a prova de vida feita por minha esposa na prefeitura de Londrina foi pelo reconhecimento de firma por verdadeira e envio pelos correios com AR.

Comente esta notícia

código captcha